O sector das conservas em números na Eurorregião da Galiza – Norte de Portugal

A importância do sector na Eurorregião é corroborada tanto pelos dados económicos como em relação com o número de empregos que gera.

Importância do sector em Espanha, tendo a Galiza como principal referência

A Espanha continua a ser o primeiro produtor da UE e o segundo produtor mundial. Além disso, é o maior exportador da UE e está entre os 5 primeiros a nível mundial. No ano de 2019, o sector espanhol de conservas e de mariscos manteve a estabilidade no que se refere ao nível da produção, que aumentou 0,3 % em relação a 2018, face a uma ligeira diminuição do volume produzido (-0,4 %). Assim, a Espanha, liderada pela Galiza, produziu em 2019 um total de 352.112 toneladas com um valor de cerca de 1.674 milhões de euros.

Em volume, o atum em conserva é o principal produto produzido pela indústria conserveira de produtos da pesca e da aquicultura, representando 68,60 % do total, seguido pelo grupo das demais conservas (8,94 %), conservas de sardinhas / petingas (6,67 %) e mexilhões em conserva (4,09 %).

Além disso, nos últimos cinco anos, as exportações espanholas de conservas e preparados de peixe e marisco aumentaram 25 % em volume e 40 % em valor. Em 2019, mais de 50 % da produção de conservas e transformados de produtos do mar destinou-se à exportação, estando presente em mais de 140 países nos 5 continentes, de acordo com os dados recolhidos no Relatório Anual de Dados de 2018 da ANFACO-CECOPESCA Clúster Mar-Alimentario.

Importância do sector em Portugal

No que diz respeito à produção de conservas de peixe em Portugal, em 2018, as do atum representaram 47 % do total produzido, seguindo-se as conservas de sardinha e cavala, que representaram cada uma 19 % do volume anual gerado. Em termos de valor de mercado, as conservas de atum em  em Portugal representaram 56 % do total, enquanto as conservas da sardinha e da cavala contribuíram com 16 % cada uma.

Em 2019, as exportações de conservas de peixe em Portugal diminuíram 10 % face a 2018, aumentando 20 % em 2020. No último ano, as conservas de atum representaram 42 % das exportações de conservas de peixe do país lusitano.